FIV e FeLV saiba a diferença entre os dois vírus

FIV e FeLV são as duas doenças mais temidas pelos tutores de gatos e com razão! Não existe cura para estas doenças e podem mesmo levar o gatinho à morte se não forem tratadas a tempo. Descubra tudo aqui sobre esta doença.

 

Virus da FIV e FELV

 

Origem das doenças


Ambas são doenças virais não transmissíveis a humanos. Os nomes vêm da abreviação dos agentes causadores delas: FeLV (Vírus da Leucemia Felina) e FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina).

Estes vírus estão distribuídos pelo mundo e afetam principalmente gatos domésticos, apesar de também serem contagiosas para outras espécies de felinos. O número de casos varia entre as diferentes regiões geográficas, e a doença espalha-se mais rapidamente em locais com altas populações de gatos de rua.

A diferença entre FIVe FeLV


  • O FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina)

A infeção pelo FIV torna os animais mais vulneráveis a outras infeções, pois esta doença causa a destruição progressiva do sistema imunológico dos felinos. A sua transmissão é feita entre gatos via mordidas profundas e acasalamento, mas não a cães e humanos. A esperança média de vida dos gatos infectados é igual à de um gato saudável.

  • O FeLV (Vírus da Leucemia Felina)

A FeLV causa diversos sintomas que dependem do sistema envolvido na infeção. Ou seja, ataca o sistema imunitário tornando o gato mais vulnerável a doenças comuns. Este vírus, em outras fases pode estar inativo e o gato aparentemente saudável, porém ele (gato) torna-se uma potencial fonte de infeção para outros gatos. Não é transmitido a cães e humanos, porém somente os gatos infectados podem coabitar com outros gatos FeLV +, e a esperança média de vida nestes gatos diminui.

Sintomas


Gato com FIV e FELV

 

 

Na primeira fase estes vírus não apresentam sintomas próprios, eles atuam no enfraquecimento do sistema imunológico e, com isso, abrem portas para que o gato seja infectado por outras doenças.

No vírus da FIV, além da expressiva baixa de glóbulos brancos, os sintomas geralmente incluem:

  • Gripe;
  • Diarreia;
  • Inflamação das gengivas;
  • Infecções de pele;
  • Infecções respiratórias superiores e pneumonia;
  • Perda de peso;
  • Más condições do pêlo;
  • Convulsões;
  • Mudanças de comportamento.

Já no vírus da FeLV existem sintomas tanto próprios quanto secundários, tais como:

  • Tumores;
  • Anemia;
  • Desidratação;
  • Falta de apetite;
  • Diarreia;
  • Febre;
  • Dificuldades para respiratórias;
  • Problemas na visão;
  • Doenças intestinais;
  • Cancros como linfoma e leucemia.

Transmissão


O vírus da imunodeficiência felina é normalmente transmitido pelo contacto direto de gatos sadios com gatos infetados, por meio de mordidas e arranhões durante lutas com outros felinos. Outras formas menos comuns de transmissão são através de contactos sexuais ou até mesmo por via transplacentária (de mãe para filho durante a gestação). Desta forma, é percetível que os felinos com acesso à rua e sobretudo os não castrados, apresentam comportamentos de maior risco e são mais suscetíveis ao vírus.

No vírus da leucemia felina, a transmissão também ocorre pelo contacto direto entre gatos positivos para FeLV e gatos sadios, a única diferença é que o vírus é transmitido principalmente pela saliva. De resto, o vírus está também presente no sangue, secreção nasal, lágrimas, fezes e no leite.

Diagnóstico


Teste para FIV e FELV

 

O vírus da FeLV e a FIV causam uma grande variedade de sintomas no gato. Logo, por isso, é comum que possa existir dois gatos infetados pelo mesmo vírus, e ambos com doenças e sintomas distintos. Para o diagnóstico dos vírus FIV e FeLV, podem ser realizados diversos exames laboratoriais específicos.

Além disso, existem testes rápidos, que permitem testar o sangue do seu animal num espaço de 10 minutos para saber se ele entrou em contacto ou não com o vírus.

Tratamento


Virus FIV e Virus FELV

 

Como não há cura para os vírus FIV e FeLV, o tratamento é focado no alívio dos sintomas ou da doença que o pet apresenta.

Os gatos com diagnóstico confirmado de qualquer umas das doenças devem ser avaliados por um veterinário pelo menos duas vezes por ano, pois são muito suscetíveis a outras doenças. Além disso, também é recomendado aos tutores, a manterem o seu gato em casa para reduzir o risco de contaminação.

Pois, o controlo da circulação dos animais pode contribuir com a diminuição da incidência destas doenças nas populações de felinos.

Prevenção


prevenção virus fiv e felv

 

Além de evitar o contacto com outros gatos não testados, atualmente existem vacinas comerciais que auxiliam na prevenção e controlo. Estas vacinas são particularmente recomendáveis e importantes para os gatos jovens, que apresentam maior risco de infeção.

Porém, à medida que gato envelhece, a decisão sobre a frequência com que a vacina deve ser aplicada deve ser discutida com seu veterinário.

Em Portugal, existem vacinas contra o FeLV, e são recomendadas.

Porém, nem todos países administram as vacinas contra o FIV, pois há muitos debates sobre sua aplicação, devido ao questionamento da eficácia.

Por fim, é bom lembrar que nenhuma vacina é 100% de eficaz, pois, mesmo vacinados, os gatos, podem ficar infetados. Assim, é recomendado o controlo da circulação dos gatinhos à rua e levá-los regularmente ao veterinário para o acompanhamento e monitorização constante da sua saúde.

Deixe uma resposta